Tempo de leitura: 2 minutos

10

TEXTO DE ORIENTAÇÃO

TEXTO 

PERGUNTA INFAMILIAR

O tema deste nosso próximo Encontro Brasileiro me traz uma pergunta sobre o abuso sexual nas adolescentes, tendo em vista a frequência atual em que usam este termo nas sessões de análise.

Se o primeiro tempo lógico do trauma se refere ao encontro com lalíngua e deixa um resto que não cabe em palavras, o segundo não é necessariamente traumático, pois nem todo encontro com o sexo é experimentado assim, como mostra a Lolita de Vladimir Nabokov. O consentimento não se refere somente ao outro que tocou o corpo, mas ao gozo próprio que estava velado e irrompeu.

Assim, podemos dizer que a expressão “abuso sexual” se tornou um significante do discurso feminista que as jovens, numa identificação horizontal, usam como defesa contra o encontro com o gozo enquanto tal, feminino, infamiliar, e não, necessariamente, ao jovem do encontro sexual?

Compartilho uma questão que me acompanhou na caminhada, em direção ao XXIII Encontro Nacional.

Para configurá-la recorto do seminário “…Ou pior” , onde Lacan em sua primeira aula, acentua a grande relevância do lugar vazio. Esse vazio se constitui condição de linguagem, para todos os seres falantes. A linguagem, porém, não opera igualmente entre os conjuntos Homem e Mulher, na produção de bordas e delimitação do furo.

Para aqueles situados na posição feminina não-toda, a linguagem fracassa diante do real impossível de dizer, de um gozo sem limite.

Pergunta-se: Tal posição ao situar, assim, o ser falante resultaria de uma escolha feita em algum ponto crucial de sua subjetivação, insondável decisão do ser, ou dependeria de um alheio destino trançado pelas Moiras?

Open chat
Posso ajudar?